Dica: livro A Sutil Arte de Ligar o F*da-se | Mark Manson

A maioria dos livros de autoajuda nos mostra a nossa importância para o universo e o quão especiais somos. Já esse livro de Mark Manson é um pouco diferente. Seguindo o caminho oposto, o livro mostra a nossa vida por uma perspectiva totalmente inusitada.

A estratégia do autor é nos fazer tomar um choque de realidade e nos tirar da zona de autocomiseração que costumamos entrar cada vez que um problema aparece no nosso caminho. O livro faz altas críticas concretas sobre a maneira que nos comportamos perante as dificuldades. Em alguns momentos, podemos achar até as palavras do autor um pouco pesadas, mas na verdade elas nos dão um alerta para a maneira que estamos levando nossa vida.

Cursos Gratuitos com Certificado da Prime

As verdades que Mark joga na nossa cara através de piadas e alguns exemplos excepcionais, chamam a atenção para alguns pontos que tem impedido muitas pessoas de levar uma boa vida. Selecionamos os ensinamentos mais importantes desse livro revolucionário. Vamos lá?

Lição número 1: Você não é tão especial quanto pensa

Desde pequenos somos levados a pensar que somos os seres mais especiais do mundo inteiro e que não merecemos passar por grandes dificuldades. De acordo com o autor, isso é uma grande mentira! Problemas iguais aos nossos estão acontecendo igualmente ou piores em várias partes do mundo. Não merecemos um tratamento diferenciado porque não somos melhores do que os outros. Estamos todos no mesmo barco e sujeito as mesmas coisas. Não adianta se vitimizar, pensando que o problema vai desistir de você pela sua covardia ou rostinho bonito. Você não é extraordinário e não há nenhum problema nisso. É preciso encarar a vida de frente e entender que você é o único responsável pela forma como conduz sua vida.

Lição número 2: O sofrimento é necessário

Mark alerta para a importância que o sofrimento tem para nos fazer amadurecer e deixarmos o nosso ego de lado. No livro, Mark descreve as experiências negativas como algo positivo. A sua teoria levanta a questão de que quando estamos sofrendo, não há outra alternativa a não ser enfrentar o problema. Isso nos tira da zona de conforto, e a partir daí nós conseguimos crescer e aprender a não desistir jamais.

Lição número 3: Faça a escolha certa

Mark fala do poder da escolha e da postura que devemos ter diante dos problemas. Ele relata que quando pensamos que escolhemos os nossos problemas, nos sentimos pessoas empoderadas. Já quando ocorre o contrário, nos sentimos vítimas. A forma que escolhemos ver as coisas é de nossa total responsabilidade. Além dessa escolha, Mark também fala sobre como é importante escolher com o que vamos nos importar. Ao eleger o que é realmente importante você para de se preocupar com bobagens como “Por que ninguém curtiu minha foto?” ou “Será que vou conseguir pegar o ônibus?”. Quando gastamos nossa energia nos preocupando com coisas desnecessárias, desanimamos e perdemos o foco.

Lição número 4: Aceite que você está errado

Outro ponto interessante que o livro aborda é a necessidade que temos de estar sempre certos. Afinal, quem não gosta de ganhar uma discussão e convencer todos de que a sua teoria é a correta, não é mesmo? Para Mark, a busca pela perfeição não te torna mais perfeito, muito pelo contrário. Só quando aceitamos que estamos errados é que vamos nos aproximar de estar certos. Isso pode parecer complexo no primeiro momento, mas se você encaixar algumas situações do seu cotidiano vai perceber o quanto isso acontece. A necessidade de provar que está certo tende a ser algo frustrante, porque a todo tempo, tudo muda. Para ele, a certeza é inimiga do crescimento e que nada é certo até acontecer.

Ao invés de idealizarmos uma vida de certezas, devemos buscar a dúvida, seja em relação a nossas crenças, nossos sentimentos ou ao que o futuro nos reserva.

Lição número 5: Fracassar pode ser algo bom

O ser humano busca tanto o sucesso que quando fracassam, não sabem o que fazer. O medo do fracasso paralisa as pessoas que se desesperam e entram em colapso. Precisamos entender que não existem parâmetros de sucesso. Aquilo que significa sucesso para você, pode não significar nada para mim e vice e versa.

Para você se tornar bom em algo, você precisará fracassar algumas vezes. O fracasso nos dá força para tentar outras formas de conseguir o que queremos. Para ilustrar isso, Mark usa como exemplo os bebês que não nascem sabendo caminhar, mas vão tentando várias vezes até conseguir manter o equilíbrio. Até conseguir o grande feito, quantas vezes ele vai precisar cair? É assim que devemos ser. Não podemos desistir no primeiro não ou na primeira derrota. Isso com certeza irá acontecer e você precisa estar pronto para encarar de cabeça erguida. Acredite: nós aprendemos muito mais com os erros do que com os acertos.

Para finalizar, o grande aprendizado que obtemos lendo o livro é começar a pensar sobre as coisas que elegemos como importantes e as que consideramos insignificantes em nossas vidas. Para tornar a vida melhor é necessário filtrar as coisas que são realmente válidas e valorizá-las. E deixar pra lá, como o autor sugere, não significa não se importar com nada, mas sim aprender a se importar apenas com aquilo que verdadeiramente requer a sua atenção. Recomendamos a leitura desse livro do Mark Manson para todos os que desejam aprender a deixar de lado o que não é tão importante e valorizar o que realmente importa.

Se gostou do artigo, deixe o seu comentário!

Prime Cursos

Cursos Gratuitos com Certificado da Prime

8 COMENTÁRIOS

  1. Visões de autores com estas linhas de pensamento, lentes assim com bom grau de ver as coisas, são de especial valor. O difícil é internalizar os rudimentos elementares de aplicá-los. Tem-se que ler muitos guias e seus livros, o que , embora caro , é um tanto propício, vale a pena faze-lo.

  2. É um tanto estranho essa forma de pensar do autor,
    pois parece-me que se a pessoa tem tendencia ao negativismo, o que ele escreve,vai leva-la para o fundo do poço e não sair mais de lá. Por outro lado o choque q. o leitor leva pode, sim, faze-lo ver-se como o “vitimizado”, e reagir positivamente saindo do marasmo, ou zona de conforto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui